Archive for the ‘Internacional’ category

Obama abre diálogo com o Irã

03/24/2009
Barack Obama

Barack Obama

Em uma mensagem enviada pela internet, o Presidente americano Barack Obama, Fez um breve discurso, sobre a possíbilidade de iniciar um diálogo om o Irã, para tentar melhorar as relações entre os dois países.

Obama fala que existe a possibilidade de buscar pontos convergentes e tentar superar as diferenças. É um gesto simbólico, claro, mas só isso é muito mais do que fizeram seus predecessores. O Presidente americano também sinalizou que vai tentar viabilizar a inserção da parte menos radical do Talibã, em um partido político, para futuras negociações.

Com esses dois gestos, Obama procura isolar os radicais do Irã e Taliban e assim, abrir uma frente de negociação possível, que pode no futuro ajudar a reduzir os atritos numa região tão explosiva e tão estratégica para os EUA.

Acho que essa é a forma mais eficaz de combater o terrorismo, oferecendo diálogo, ajuda financeira a esses países e quem sabe até mesmo reduzir as sanções econômicas, para desta forma, isolar os que querem o conflito e ao mesmo tempo, mostrar que pode haver negociação. Isso não vai acabar com os homens bomba claro, até porque eles servem a um propósito político, mas pode reduzir as chances de atrito e criar uma possibilidade de redução de ameaças terroristas contra americanos no mundo.

A Comunidade Internacional agradece essa tentativa…

Anúncios

Obama, o conciliador

01/27/2009
Obama

Obama

O Presidente Barack Obama, deu uma entrevista hoje, para uma TV Árabe, dizendo entre outras que os americanos não são inimigos, dos Muçulmanos. Obama também disse que a sua missão era mostrar ao povo americano que muitos muçulmanos querem viver em paz e prosperar como pessoas comuns.

A inflexão na política externa americana é uma excelente notícia, ainda mais para um país que herdou uma diplomacia baseada na lógica do Porrete e do unilateralismo.

A política americana era dualista, havia o bem e o mal, onde os EUA, claro, eram o bem, e todos os outros inimigos, eram aliados de Satã. A lógica era, se você concorda comigo é meu aliado, se não,
automaticamente era considerado uim inimigo que devia ser abatido.

Obama sabe que precisa construir pontes com o mundo árabe, para estabilizar a região e evitar que novos conflitos, deflagrem uma instabilidade que pode afetar o mundo todo, já que as maiores reservas de petróleo estão lá.

Afinal a história já ensinou que em épocas de crise aguda, como essa, é que eclodiram as duas maiores guerras que o mundo já viu.

Os desafios de Obama

01/20/2009
Folha de SP On-line

Fonte: Folha de SP On-line

Um dia histórico para os EUA e para o mundo, enfim um negro chega ao cargo mais importante do mundo, o cargo de presidente dos EUA.

Mas a chegada de Obama significa o início de uma era pós-racial? Não exatamente, mas isso eu vou aprofundar em outro post. A seguir, as primeiras dificuldades que Obama vai enfrentar como presidente.

Para reativar a economia, e gerar empregos, Obama promete obras nas áreas de infra-estrutura, semelhante ao que fez Roosevelt, não na mesma escala logicamente, mas, construir pontes e estradas, para reduzir o desemprego crescente.

O problema é que de acordo com analistas econômicos, os EUA já tem a maior parte do país atendida, por estradas, pontes e outros serviços essenciais de infra-estrutura(ainda não me adaptei a reforma ortográfica), o que significa, que não será possível avançar muito nessa área.

Outro problema é que Obama prometeu cortar impostos de 90% da classe média americana, mas de acordo com alguns analistas, cerca de 40% das famílias americanas de classe média já não pagam imposto de renda, se esse número for verdadeiro, será um grande problema, para cortar, onde não há mais impostos para se pagar.

Outro grande problema é reduzir as desigualdade entre negros e brancos, pois segundo uma pesquisa inédita que vou divulgar aqui amanhã, cerca de 40% dos homens negros, não chegam a faculdade e tem mais problemas com a justiça, isso sem falar nos salários mais baixos e nas poucas oportunidades de ascensão social, devido ao preconceito, esse talvez será o mais difícil de todos os desafios.

A força de um Símbolo

01/19/2009
Barack Obama

Barack Obama

Barack Hussein Obama, tomará posse amanhã, como o novo Presidente dos EUA em meio a mais grave crise econômica dos últimos 40 anos.

Uma das coisas mais fantásticas, em Obama é a sua capacidade de encorajar as pessoas a acreditarem em um novo começo, e despertar o que há de melhor nelas, que é o poder de mudar a sua própria história de vida pessoal, ele mesmo é um símbolo disso.

Recentemente ele refez o mesmo trajeto de trem que Abraham Lincoln, fez em 1861, antes de tomar posse na Casa Branca. Coemçando pela Filadélfia até Washington, Obama parou, acenou, discursou e fez o que todo o Estadista deve fazer, encorajou os americanos a regirem e acreditarem que Sim eles podem!

O paralelo com Lincoln não é por acaso, pois foi Lincoln que unificou um país dividido pela guerra de secessão e este é o principal objetivo de Obama, unir o povo americano em torno do mesmo ideal, vencer a crise.

Ele já alertou, para os possíveis erros que cometerá na presidência, disse Obama: “Haverá começos falsos e atrasos, frustrações e desapontamentos. E nós seremos chamados a mostrar paciência mesmo quando agimos com urgência” É uma vacina contra o excesso de expectativa em torno de si mesmo, o que pode sabotar seu Governo.

No mais Obama tem demonstrado postura de líder, carisma e bom senso pra lidar com as expectativas iniciais do cargo. Os desafios são imensos, mas ele conta com forte apoio popular dentro e fora do país, para levar adiante seus planos de restaurar a economia americana e assim, livrar o mundo da maior recessão, já vista desde 1929.

Brasil tenta mediar conflito

01/15/2009

Você pode não acreditar, mas o Min. das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, fez um Tour, pelo Oriente Médio e foi recbido, por autoridades em Israel e pelo Presidente do Egito hosni mubarack, para oferecer os préstimos do Brasil, para ajudar a mediar o conflito.

O Itamaraty é visto como um celeiro de talentos em termos de embaixadores e a escola diplomática brasileira conquistou respeito no mundo todo, devido a imparcialidade e defesa do princípio de auto determinação dos povos, ou seja, cada país tem a sua autonomia e esta, autoridade não pode ser questionada.

Ainda assim fica a pergunta, qual o objetivo da viagem? O Brasil está pleiteando um lugar no Conselho de Segurança da ONU. Nosso país defende que a Índia também faça parte do Conselho.

Por isso é importante, estar inserido em acontecimentos deste porte, para utilizar e diplomacia brasileira como forma de propaganda. Ainda assim as chances do Brasil em mediar o conflito são nulas, porque não há nada que em especial, como cultura, ou lingua, ou tradição, que nos ligue aos países envolvidos no conflito. Ligações essas que nos legitimariam, como interlocutores.

A pergunta é, vale a pena entrar no Conselho de Segurança da ONU? Este é um assunto para outro post que será aprofundado, sobre o tema.

Os motivos da Invasão Israelense

01/14/2009
joaoleitao.com

Fonte: joaoleitao.com

Porque a invasão de Israel ocorreu agora? se a muito tempo o Hamas já lança mísseis contra o território de Israel.

A resposta pode estar na mudança de governo nos EUA. Bush é um aliado incondional do governo de Israel, e já apoiou outras ofensivas, durante seu mandato. O problema é que Obama já deu sinais de que não aprovará as ações israelenses, com a mesma convicção de bush.

O jornal The Washington Post, fez uma reportagem em que afirma que o governo de Israel pediu apoio dos EUA para bombardear o Irã, porque acredita que os iranianos, estão desenvolvendo tecnologia nuclear para fins bélicos, e querem destruir o que seria as instalações onde estão sendo desenvolvidas as novas armas, antes que se torne operacional e assim ameace a integridade de Israel.

Bush Não topou entrar numa fria desse tamanho pouco antes de encerrar seu Governo que já é considerado o pior da História moderrna americana, pelos próprios americanos.

Com esta ofensiva agora, antes da posse de Obama, será mais dificil para os EUA exercer pressão pelo cessar fogo, e de quebra o conflito pode arrastar o Irã, o que daria a desculpa perfeita para Israel se defender.

Explico: O Irã dá apoio logístico ao Hamas, e durante o processo de invasão já chegou a ameaçar Israel, caso o conflito chegue a sua fronteira. Basta Israel atacar uma instalação qualquer no território iraniano alegando ser do Hamas, para justificar a entrada do Irã e o recrudescimento da guerra.

De qualquer forma, até o momento o Irã tem se limitado a protestar, sem envolvimento militar no episódio, e isso deve evitar que o conflito chegue a esse ponto.

Limpeza Étnica

01/13/2009

electronicintifada.net

Fonte: electronicintifada.net


O que Israel está fazendo em Gaza, ultrapassa todos os limites do bom senso, já passam de 900, o número de Palestinos mortos. Recentemente foi descoberto que a Escola bombardeada pela ONU, foi atingida devido a um erro de pontaria do GPS, usado pelas tropas, que havia detectado uma falha na operação dos mísseis inteligentes.

É como se tivéssemos um oponente de um lado com estilingue (Palestinos) e de outro um exército revidando com tanques, é completamente desproporcional.

Israel precisa se defender do Hamas, que não reconhece o Estado Judeu e envia mísseis contra seu território, mas fazendo as contas, esses mísseis mataram 3 civis e 10 soldados. Como justificar essa carnificina em massa?

Soldados Israelenses, abandonaram crianças ao lado dos corpos de suas mães mortas, que nome dar a esse comportamento? Crime de Guerra, esse é o nome.

Os Israelenses estão cometendo em menores proporções, o mesmo crime de guerra do qual foram vítimas, o crime de limpeza étnica, que chocou o mundo durante a Segunda Guerra. A diferença é que não há um campo de concentração, nem o o planejamento de assassinato em escala industrial.